Ciclo de palestras com escritores de renome, como Fernando Morais e Tony Bellotto, movimenta vida cultural de Brasília

O que esperar do Brasil do futuro? Quais os obstáculos para reinventar um país mais inclusivo, que respeite as diferenças e onde todos tenham acesso à educação de qualidade? Como lidar com os novos tempos em um país diverso e, ainda, tão desigual?

O projeto literário Diálogos Contemporâneos está de volta a Brasília para, junto à sociedade, contribuir na reflexão e busca de novas perspectivas para o Brasil a partir dos saberes e obras literárias de grandes escritores e escritoras do país.

Esta edição do Diálogos Contemporâneos será realizada entre 18 de abril e 16 de maio, no Espaço Cultural do Shopping Liberty Mall. A entrada é franca, sujeita à lotação do auditório.  Serão disponibilizados 300 lugares, para que o ambiente se torne mais seguro em relação às medidas sanitárias, frente à pandemia.

A realização é da Associação Amigos do Cinema e da Cultura (AACIC) por meio de emenda parlamentar da Deputada Federal Erika Kokay (PT-DF). Todas as palestras serão transmitidas pelo canal da AACIC no YouTube: https://www.youtube.com/aacic.

A ideia do projeto literário é servir como painel de debates, discussões e reflexões para estimular o pensamento crítico sobre a complexa realidade da vida, do país e do mundo.

“A literatura brasileira tem muito a dizer sobre o momento que vivemos. Temos grandes escritores e ouvi-los é uma oportunidade para interpretar a realidade. Colocar em destaque nossos escritores e escritoras, pensadores e pensadoras significa impulsionar a riqueza cultural que nós temos”, afirma Marconi Scarinci – Presidente da AACIC – Associação dos Amigos do Cinema e da Cultura

Esta temporada do Diálogos Contemporâneos é constituída de palestras com oito escritores sobre temas que permeiam suas obras. Na semana de abertura, o projeto recebe o líder indígena, ambientalista, filósofo, poeta e escritor Ailton Krenak no dia 18 de abril para discutir “A cultura do descarte: sociedade de consumo, meio ambiente e o futuro da humanidade”. No dia 19 de abril, é a vez do poeta e cronista Sergio Vaz falar sobre “Literatura e realidade”.

Participam, ainda, Fernando Morais (26/4), que discute o tema “Guerras culturais – corações e mentes, negacionismo e pós-verdade”; Preta Ferreira (2/5), com “Desigualdades étnico-raciais, memória e apagamentos de negras e negros na história”;  Fabrício Carpinejar (3/5) conversa sobre “O envelhecimento e o espaço social dos que não são mais jovens”; Mary Del Priori (9/5), que fala sobre “Opressão, sofrimento e depressão na construção histórica do Brasil”; Tony Bellotto (10/5), com “Segurança e violência policial na literatura brasileira”,  e Viviane Mosé (17/5) que encerra a edição com “O alvo da vida não é ser feliz, é aprender a viver”.

Nomes de importante atuação na área literária no Distrito Federal vão mediar os debates com os autores convidados: Verenilde Pereira, GOG, Tereza Cruvinel, Alessandra Roscoe, Luciana Barreto, Leda Gonçalves, Carlos Marcelo e Clara Arreguy.

Educativo – Este ano, o projeto literário Diálogos Contemporâneos, para além do debate, traz uma novidade voltada para estudantes do Distrito Federal com foco na formação de leitores. Trata-se de uma iniciativa que terá a participação de instituições de nível superior, como IESB e Universidade Católica e escolas públicas de ensino médio de Ceilândia, Planaltina, Guara e Plano Piloto.

Os alunos vão estudar, previamente, durante um mês um livro de um dos oito escritores ou escritoras convidados do projeto. Serão, no mínimo, 30 alunos de cada escola. Juntos, vão conhecer a obra do autor ou autora e se aprofundar em um de seus livros sob a orientação dos professores. Na ocasião da vinda dos literatas a Brasília, o grupo de estudo de cada escola participará de um bate-papo exclusivo com o autor da obra estudada.

A programação completa está disponível no site e nas redes sociais da Associação Amigos do Cinema e da Cultura (AACIC). Todas as palestras poderão serão transmitidas simultaneamente pelas redes sociais.

Fonte: Assessoria de Imprensa do evento

*Foto: Divulgação

Redes Sociais:

facebook.com/amigoscult

instagram.com/amigoscult/

youtube.com/c/AACIC

twitter.com/amigoscult

Site: https://aacic.com.br/dialogoscontemporaneos/2022/brasilia/

DIÁLOGOS CONTEMPORÂNEOS

Quando: 18 de abril a 16 de maio, sempre às 19h (ver programação abaixo)

Onde: Espaço Cultural do Liberty Mall (Setor Comercial Norte)

Entrada franca

Tendo em vista o período de pandemia de Covid-19, há cuidados de biossegurança exigidos pelo poder público que deverão ser seguidos para garantir a saúde e o bem-estar de todos os participantes do evento:

Será obrigatório o uso de máscaras em todas as áreas do evento;

Os assentos liberados para uso estarão devidamente sinalizados;

Da capacidade total do espaço, o evento está autorizado a preencher 250 lugares;

Haverá álcool em gel disponível para higienização na porta de entrada do evento e nos banheiros.

Informações para a imprensa: (61) 981266445 (Ulisses de Freitas)

Programação:

18 de abril (segunda-feira), às 19h: Ailton Krenak –  “A cultura do descarte: sociedade de consumo, meio ambiente e o futuro da humanidade” – Mediação de Verenilde Pereira

19 de abril (terça-feira), às 19h: Sergio Vaz – “Literatura e realidade” – Mediação de GOG.

26 de abril (terça-feira), às 19h – Fernando Morais – “Guerras culturais – corações e mentes, negacionismo e pós-verdade”- Mediação de Tereza Cruvinel.

2 de maio (segunda-feira), às 19h – Preta Ferreira – “Desigualdades étnico-raciais, memória e apagamentos de negras e negros na história” – Mediação de Alessandra Roscoe.

3 de maio (terça-feira), às 19h – Fabrício Carpinejar – “O envelhecimento e o espaço social dos que não são mais jovens” Mediação de Luciana Barreto.

9 de maio (segunda-feira), às 19h – Mary Del Priori  – “Opressão, sofrimento e depressão na construção histórica do Brasil” – Mediação de Leda Gonçalves.

10 de maio (terça-feira), às 19h – Tony Bellotto – “Segurança e violência policial na literatura brasileira” – Mediação de Carlos Marcelo.

16 de maio (terça-feira), às 19h – Viviane Mosé – “O alvo da vida não é ser feliz, é aprender a viver” – Mediação de Clara Arreguy.

Quem é quem: escritores

AILTON KRENAK – Nasceu em 1953. Ativista do movimento socioambiental e de defesa dos direitos indígenas, organizou a Aliança dos Povos da Floresta, que reúne comunidades ribeirinhas e indígenas na Amazônia. É comendador da Ordem de Mérito Cultural da Presidência da República e doutor honoris causa pela Universidade Federal de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Autor, entre outras publicações de Ideias para adiar o fim do mundo.

SERGIO VAZ – Do hip-hop às publicações poéticas, do funk aos saraus, a cultura que vem da periferia afirma seus valores e sua identidade com novas expressões artísticas e narrativas literárias. Compreender as realidades de favelas, bairros e de comunidades excluídas e marginalizadas economicamente demanda conhecer de perto essas expressões que não estão na grande mídia nem no show business.

FERNANDO MORAIS – Jornalista e escritor. Trabalhou no Jornal da Tarde, na revista Veja e em várias outras publicações da imprensa brasileira. Recebeu três vezes o Prêmio Esso e quatro vezes o Prêmio Abril de Jornalismo. Foi deputado estadual e secretário da Cultura e da Educação do Estado de São Paulo. É autor, entre outros livros, de Olga, Chatô, o Rei do Brasil, Corações Sujos (esses três adaptados para o cinema), A Ilha, Os Últimos Soldados da Guerra Fria e o mais recente Lula – Biografia Volume I.

PRETA FERREIRA (Janice Ferreira da Silva) – Escritora, cantora, compositora, atriz, produtora, publicitária e ativista. Em 24 de junho de 2019 foi presa com mais três lideranças do movimento de moradia de São Paulo. Filha de Carmen Silva, matriarca da família e fundadora do MSTC (Movimento Sem Teto do Centro), responsável pela Ocupação 9 de Julho. Nos 108 dias de encarceramento escreveu Minha Carne: diário de uma prisão, onde relata os dias de cárcere, processos pelos quais passou, etapas do sistema prisional, trâmites jurídicos, emoções que viveu, ouviu e compartilhou com outras mulheres.

FABRÍCIO CARPINEJAR – Escritor, jornalista, influenciador digital e palestrante. Cronista do jornal O Tempo e comentarista da Rede Globo. Autor de 47 livros, recebeu mais de 20 prêmios literários (duas vezes o Prêmio Jabuti). Suas obras transitam entre poesia, crônicas, infanto juvenis e reportagens. Seu mais recente livro é “Coragem de Viver” (Editora Planeta, 2021), homenagem à figura materna.

TONY BELLOTTO – Nasceu em 1960, em São Paulo. Compositor e guitarrista da banda Titãs, estreou na literatura em 1995 com Bellini e a Esfinge, primeiro de uma série de livros policiais. Além desses, publicou os romances Lô (2018), Machu Picchu (2013), No buraco (2010) e Dom (2020), entre outros.

MARY DEL PRIORE – Historiadora e professora, doutora em História Social pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-doutora pela École des Hautes Études en Sciences Sociales (Paris, França). Lecionou História em várias universidades brasileiras. Autora de mais de 50 livros sobre a história do País, entre eles “Uma Breve História do Brasil”, “Histórias da Gente Brasileira”, “Histórias do Amor no Brasil” e “Sobreviventes e Guerreiras: uma breve história da mulher no Brasil de 1500 a 2000”. Recebeu diversos prêmios por suas obras, como o Casa Grande & Senzala e o Jabuti.

VIVIANE MOZÉ – Doutora em filosofia, especialista em políticas públicas, poeta e psicanalista. Fala sobre educação, cultura, sociedade, sempre tendo em vista os desafios do contemporâneo. Faz diagnósticos, analisa cenários, propõe formatos, nos seguintes temas: educação, filosofia, psicologia, gestão empresarial, gestão pública, governança, ética, cultura, sustentabilidade, diversidade e recursos humanos. Suas palestras são sempre provocativas, gerando questionamentos diversos, mas sempre apontando direções, sempre impulsionando o ânimo e a ação.

Quem é quem: mediadores

Verenilde Pereira – Possui graduação em Comunicação Social pela Universidade Federal do Amazonas (1979) e mestrado em Comunicação pela Universidade de Brasília (1995). Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Comunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: mídia, índios e representação. É doutora pela faculdade de Comunicação de Brasília, na área de Jornalismo e Sociedade. Defendeu a tese em 2013, cujo título é Violência e Singularidade Jornalística: o “massacre da Expedição Calleri”, sob orientação da Prof. Dra. Rita Laura Segato.

GOG – Genival Oliveira Gonçalves, conhecido pelo nome artístico GOG, é rapper, cantor, e escritor brasileiro. Considerado um dos pioneiros do Hip Hop brasiliense. No início da carreira, ganhou a alcunha de Poeta. 30 anos de carreira, 11 discos lançados, defende a produção independente no hip-hop. Politizado e militante incansável das “causas e das canções”, ele foi o primeiro cantor de rap nacional a abrir o próprio selo e, por ele, produziu e lançou álbuns seus e de outros importantes grupos do Distrito Federal, entorno do DF e de outros estados brasileiros.

Tereza Cruvinel – Mineira, radicada em Brasília desde 1972, ingressou na  UnB, participou do movimento estudantil, militou na Liga Operária e Convergência Socialista. Concluiu o curso de Jornalismo em 1981 e fez mestrado em comunicação social.  Iniciou carreira profissional em 1982, dedicando-se jornalismo político. Atuou na Tv Brasília, Jornal de Brasília, Correio Brasiliense, Jornal do Brasil e O Globo, neste último por 24 anos. A partir de 1986 passou a escrever a coluna Panorama Político em O Globo, o que fez por 21 anos (1986-2007). Foi também comentarista política da Globonews nos primeiros 10 anos do canal. É autora do livro “Cristina Tavares – uma guerreira do jornalismo e da política” e co-autora de “Jornalismo político para estudantes”. Em 2007 deixou as organizações Globo para assumir o cargo de presidente da EBC – Empresa Brasil de Comunicação, a convite do presidente Lula e do ministro-chefe da Secom, jornalista Franklim Martins.

Alessandra Roscoe – Jornalista, escritora e coordena o Uniduniler todas as letras (www.uniduniler.com.br), projeto de mediação de leitura, que desde 2013 percorre todo o Brasil levando livros, leituras e afetos, onde nem sempre eles chegam! Mineira de Uberaba, Alessandra vive em Brasília com o marido, os três filhos e duas cachorras. Publicou mais de 40 livros para a infância. Já teve livro adaptado para o cinema, em acervo de bibliotecas internacionais, traduzidos em outros países e foi finalista do Prêmio Jabuti em 2013. Não esconde que antes de escritora e mediadora de leituras.

Luciana Barreto – Poeta, ensaísta e professora de Literatura, com doutorado em Teoria Literária pela Universidade de Brasília (UnB). Desenvolve pesquisas nos universos de Hilda Hilst, Osman Lins, Clarice Lispector e Fernando Pessoa, com artigos em livros e periódicos acadêmicos. Atua como professora em Literaturas Brasileira e Portuguesa. Publica poemas em revistas e blogs literários, como Mallarmagens, Gueto, Ruído Manifesto, Traços e Escrita Droid, além de antologias, a exemplo de As mulheres poetas na literatura brasileira (Ed. Arribaçã). Organizou ainda a coletânea No meio do fim do mundo- 89 poetas hoje, pela editora Elã, a ser lançada em breve. O seu livro solo de poesia – Nunca é casto o fio do poema – está em fase de editoração.

Leda Gonçalves – Pós-doutorada no CNAM (Paris, 2017), Doutora em Psicologia Social e do Trabalho (UnB), Mestre em Educação, Graduada em Pedagogia. Professora titular da Universidade Católica de Brasília no Programa de Pós em Psicologia. Atua no curso de Graduação em Pedagogia e Psicologia. Tem experiência nas áreas de Educação e Psicologia Social do Trabalho. Atualmente os temas de interesse são: formação de professores, processos de ensino e aprendizagem, diversidade, saúde mental e trabalho e psicodinâmica do trabalho.

Carlos Marcelo – Nascido em João Pessoa (PB) em 1970, é jornalista e escritor. Formado em Comunicação Social pela UnB, escreveu os livros Renato Russo – O Filho da Revolução (2009); Nicolas Behr – Eu Engoli Brasilia (2003) e O Fole Roncou (2012 com Rosualdo Rodrigues). Vencedor de dois Prêmios Esso, trabalhou na Rádio Cultura FM 100,9 MHZ, no Correio Braziliense e é diretor de redação de O Estado de Minas desde 2015. Estreou na ficção em 2017 com Presos no Paraiso, considerado um dos melhores lançamentos do ano pelas revistas Quatro Cinco Um e Bula. Publicado na França, o romance teve resenhas positivas em jornais como Le Monde e Le Parisien. Os Planos (ed Letramento) é seu mais recente livro

Clara Arreguy – Nasceu em Belo Horizonte (MG) e vive em Brasília desde 2004. Foi repórter, crítica, editora e subeditora nos jornais Estado de Minas e Correio Braziliense e cronista na revista Veja Brasília. Autora de 28 livros, entre infantis, juvenis e adultos, romances, contos e crônicas, criou a Outubro Edições, pela qual publica livros de sua autoria e de outros autores. Mantém um blog literário desde 2006, hoje hospedado no site de sua editora: www.outubroedicoes.com.br e criou recentemente, no canal da Outubro Edições no Youtube, as Resenhas da Clara

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.